sábado, 31 de Agosto de 2013

Listas definitivas do concurso da Mobilidade Interna - 2013/2014

  • Listas definitivas de colocação e não colocação do concurso de Mobilidade Interna - Necessidades Temporárias ano escolar de 2013/2014

  • EDUCAÇÃO ESPECIAL
    910 - Educação Especial 1
    920 - Educação Especial 2
    930 - Educação Especial 3



     
     

    Aplicações
     

    quinta-feira, 29 de Agosto de 2013

    Ofertas de emprego para professores lusófonos - ano letivo 2013/2013

    Vagas para professores em Luanda, Maputo e Dilí: Recrutamento de professores lusófonos para o ano lectivo de 2013/14 em regime temporário e com permanência de pelo menos 6 meses. Podem igualmente candidatar-se docentes Doutorados ou com Mestrado e que tenham, preferencialmente, dois anos de experiência docente comprovada na área em que se candidatam.
    Os professores receberão uma mensalidade de 4500€. Será paga também a passagem aérea, em classe económica, de ida e volta do Porto / Lisboa para Luanda / Maputo / Dilí, assim como o regresso.
    As candidaturas podem ser feitas aqui, sendo que os profissionais serão requisitados para ensino superior, em cursos de bacharelato e licenciatura.
     
    600 vagas para estágios na função pública: O Governo vai abrir mais 601 vagas para estágios na função pública. As candidaturas são de 2 a 13 de setembro e os estágios arrancam em novembro, refere a portaria publicada esta quarta-feira em Diário da República.
    Os estágios têm uma duração de 12 meses. A admissão provisória será conhecida até 17 de setembro, sendo a lista das classificações, por entidade, publicada até 20 de setembro.
    Os candidatos são selecionados em definitivo durante as semanas seguintes e até 28 de outubro e os estágios arrancam logo no primeiro dia de novembro.
    Nos primeiros três meses de estágio, os candidatos podem ser mudados de entidade, desde que haja acordo entre as duas partes.
    Na segunda fase do programa de estágios, serão aceites candidaturas para os Ministérios da Administração Interna, da Agricultura e Ambiente, Defesa, Economia, Educação, Justiça, Saúde, Solidariedade e Segurança Social e Presidência do Conselho de Ministros. As funções são as mais diversas.
    São aceites apenas candidatos com pelo menos licenciatura, até aos 30 anos (limite que sobe para 35 em caso de deficiência), que estejam à procura do primeiro emprego ou à procura de emprego na sua área de formação, ou estejam desempregados.
    As candidaturas aos estágios na função pública serão feitos neste site.
     
    4 sites de pesquisa de emprego em Inglaterra: Há imensos sites que disponibilizam vagas de emprego na Inglaterra, no entanto muitos são muito específicos e outros são demasiado complexos. Deixamos aqui uma lista dos 4 sites que sempre pesquisamos quando nos perguntam por vagas de emprego para a Inglaterra.

    Fonte: http://www.centro-formacao.com/

    domingo, 25 de Agosto de 2013

    Jovens com deficiência sonham morar sozinhos e pagar as próprias contas no Brasil

    Jovens com deficiência sonham morar sozinhos e pagar as próprias contas. Independência financeira e capacidade de cuidar da própria vida. Três mães de pessoas com deficiência fundaram uma entidade para tornar isso possível.







    “A minha casa vai ser grande no futuro”, imagina a sorridente Gabriella, de 21 anos, que temsíndrome de Noonam. Por acreditar que ela pode ser independente dos pais e morar sozinha, se assim desejar, sua mãe, Monica Mota, uniu-se às mães de outros dois jovens comdeficiência intelectual para estimular a autonomia dos filhos.

    Juntas, as três vão fundar a JNG (abreviação de João, Nicolas e Gabriella) em 27 de agosto, no Rio de Janeiro, para estimular a criação de moradias independentes, semelhantes às existentes na Inglaterra. Também vão lutar para mudar a legislação previdenciária atual, que obriga os pais a manterem os filhos afastados do mercado de trabalho.
    A lei federal 8.213/91 determina que as pessoas com deficiência só terão direito à pensão dos pais, em caso de morte, se forem declarados incapazes. Isso impede que eles tenham um trabalho com carteira assinada, que votem e exercitem outros direitos de cidadania.O objetivo é fazer alterações na lei.
    “Eles poderiam conquistar a independência financeira se houvesse uma combinação entre seus empregos remunerados e benefícios complementares da assistência social ou previdência”, reflete Flávia Poppe, presidente da organização, economista pela PUC/RJ e mãe de Nicolas, de 21 anos, portador do transtorno de espectro autista.
    Mesmo quando a pessoa com deficiência trabalha, os pais continuam bancando o sustento do filho, em muitos casos. Dos 2,4 milhões de deficientes intelectuais declarados no Brasil (1,5% da população), 36% não possuem rendimento próprio e 46% recebem até um salário mínimo, segundo o Censo do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) de 2010. Apenas 2% recebem acima de cinco salários mínimos.
    De passagem para a vida adulta, os filhos das três mães que criaram a JNG projetam arrumar um emprego ou continuar os estudos num futuro próximo.
    Nem sempre essa transição é fácil. Nicolas parou de estudar e passou a ser aprendiz de um curso de higienização de livros raros na biblioteca da Universidade de Brasília. “Ele ficou insatisfeito quando saiu da escola. Mas o projeto deu a ele um salto enorme de consciência e amadurecimento”, repara Flávia.
    Moradias independentes
    O modelo que as três mães pretendem trazer ao Brasil consiste em apartamentos individuais para cada morador, com quarto, sala, cozinha e banheiro. Estes prédios são compostos, normalmente, de seis a oito apartamentos. Um profissional mora no local, como uma especie de zelador, para dar suporte aos moradores. Mas a ideia é que eles tenham privacidade completa.
    Em 2011, as fundadoras da organização visitaram os imóveis da Ability Housing Association, na cidade de Staines, perto de Londres, onde vivem sozinhos pessoas com deficiência. A iniciativa tem mais de 650 unidades e mil moradores, contando com o suporte do governo. Elas queriam entender como o modelo funciona e adaptá-lo ao Brasil.
    Nas casas que visitaram, elas encontraram traços de um cotidiano comum. Uma das moradoras montou uma cabine de polícia de brinquedo na sala e colou fotos de Doris Day na parede. Outra colecionava lápis coloridos. Um morador mostrou que aprendeu a cozinhar sozinho.
    Antes internada em uma clínica, Glennys, que tem uma deficiência severa, ganhou seu próprio apartamento no local. “No início, ela não queria receber ninguém porque tinha medo de que fosse tirada de lá”, conta Flávia. No espaço anterior, as visitas da irmã eram restritas pela falta de privacidade. Já na moradia, as duas passavam tardes juntas.
    No Brasil, não há modelos de moradia semelhantes, segundo a presidente da JNG. O que existem hoje são moradias compartilhadas, com quartos individuais e ambientes coletivos para os moradores. A ideia de implantar privacidade é justamente para estimular a vida independente. “Meu filho gosta de ficar sozinho”, relata Flávia.
    As mães do JNG buscarão suporte de políticas públicas, mas acham que a grande fonte de recursos pode vir de empresas. O mercado das tecnologias de suporte pode ser um aliado na criação das moradias, além de se beneficiar com ele, como acontece na Inglaterra.
    Por lá, as empresas comercializam aparelhos que auxiliam o dia a dia do deficiente, como telefones com botões maiores e mais visíveis e dispositivos que emitem um sinal para a central do “zelador” do prédio em casos de emergência, como convulsões.
    A mãe de Nicolas acredita que o maior obstáculo para a criação da moradia independente vem da própria família. “Os pais, muitas vezes, confundem os limites entre proteger e impedir que os filhos cresçam e se desenvolvam”.
    Fonte: IG Economia via casadaptada

    sábado, 24 de Agosto de 2013

    Atividades de regresso à escola no âmbito do 1.º ciclo do ensino básico

    Os autores do blogue Ensino Básico divulgaram várias fichas / atividades das várias áreas do 1.º ciclo com o tema "Regresso à Escola".
    As atividades de Língua Portuguesa e Matemática são adequadas ao 3.º ou 4.º ano do 1.º ciclo, enquanto as restantes atividades podem ser realizadas em qualquer ano escolar.

    • Descarregue os ficheiros em baixo:
    Attachments:
    FileDescriptionEnviado porFile size
    Download this file (Ciências_Experimentais_mensagem_secreta.doc)Ciências_Experimentais_mensagem_secreta.docCiências Experimentais Mensagem SecretaHelena Alves15 kB
    Download this file (Expressão_Dramática_inicio_escola.doc)Expressão_Dramática_inicio_escola.docExpressão Dramática Início da EscolaHelena Alves12 kB
    Download this file (EXPRESSÃO_MUSICAL_inicio_escola.doc)EXPRESSÃO_MUSICAL_inicio_escola.docExpressão Musical Início da EscolaHelena Alves74 kB
    Download this file (Expressão_Plástica_inicio_escola.doc)Expressão_Plástica_inicio_escola.docExpressão Plástica início escolarHelena Alves1076 kB
    Download this file (Língua_Portuguesa_incio_escola.doc)Língua_Portuguesa_incio_escola.docLíngua Portuguesa início escolarHelena Alves18 kB
    Download this file (Matemática_compras_bazar.doc)Matemática_compras_bazar.docMatemática Compras BazarHelena Alves34 kB
     

    terça-feira, 20 de Agosto de 2013

    Atestado Médico de Incapacidade Multiuso

    Atestado Médico de Incapacidade Multiuso
     
    Logótipo da Direção-Geral da SaúdeCom a publicação do Decreto-Lei nº. 291/2009, de 12 de Outubro, que altera e republica o Decreto-Lei nº. 202/96, de 23 de Outubro, foi previsto um novo modelo de Atestado Médico de Incapacidade Multiuso.
     
    Neste sentido a aprovação do referido modelo agora publicado, através do Despacho nº. 26432/2009, de 20 de Novembro de 2009, in D.R. II Série, de 4 de Dezembro de 2009.
    São de salientar no novo modelo os seguintes aspectos:
    • Adopção do preenchimento manual ou por via informática.
       
    • Inserção de Declaração de Verificação do Grau de Incapacidade anterior, efectuada por junta médica, ao abrigo das Tabelas Nacionais de Incapacidades de 1960 ou 1993, nos termos e para efeitos do disposto nos nºs. 7, 8 e 9 do art.º 4.º do Decreto- Lei agora publicado.
       
    • Identificação de dois graus de avaliação de incapacidade, um resultante de avaliação da TNI em vigor e outro decorrente de avaliação por junta médica anterior.
    Para esclarecimento de eventuais dúvidas, por favor contactar:
    Unidade de Apoio à Autoridade de Saúde Nacional
    Direcção-Geral da Saúde
    Telef: 218430683; E-mail: ASN-Secretariado@dgs.pt

    segunda-feira, 19 de Agosto de 2013

    Sugestões para mobiliário adaptado numa casa ou apartamento

    fotos Sandra Perito
     
     
     
    Banheiros para cadeirantes ou pessoas com mobilidade reduzida, rampas, plataformas, elevadores acessíveis, pisos táteis, sinalização inclusiva, barras de apoio (...).
    Quem escuta falar desse aparato disponível no mercado em prol da acessibilidade não se espanta ...
     
    Conheça as várias sugestões de mobiliário adaptado numa casa / apartamento / vivenda, etc., em: Casadaptada

    Qualificação das Pessoas com Deficiências e Incapacidades - Formação Profissional Contínua

    Qualificação das Pessoas com Deficiências e Incapacidades - Financiado pela Tipologia 9.6.2 do POPH - Projeto nº 093142/2013/962 

    Formação Profissional Contínua:

    O que é?
    Formação profissional contínua de ativos com deficiência para a atualização das suas competências;

    Para quem?
    Desempregados que se encontrem em situação de desemprego inscritos nos Centros de Emprego do IEFP, I.P. e que tenham estado em situação de emprego pelo menos 6 meses, ou que tenham a sua inscrição feita nos Centros de Emprego há pelo menos 6 meses;

    Outras situações (a avaliar de acordo com enquadramento aprovado)

    Para quê?
    A aquisição e atualização de competências sociais e técnicas no âmbito do mesmo percurso formativo que já se detém ou em novas áreas formativas, tais como o empreendedorismo e as tecnologias de informação e socio-comunicação, visando favorecer a reintegração profissional ou a criação do próprio emprego.

    Onde:
    Casa Pia de Lisboa, I.P.
    Formação e Qualificação de Adultos
    Rua dos Jerónimos nº 9 – 1400- 210 Lisboa Tel. / Fax 213651260

     Informações:
    Catarina Ceriz/Raquel Fernandes/Perpétua Carrega
    E-mail: cno@casapia.pt / Tel. 21 365 12 60

    Clique aqui para ver as ofertas formativas!

    Fonte: Casa Pia de Lisboa, I.P

    Seleção e recrutamento de docentes/formadores de língua gestual portuguesa (ano escolar de 2013/2014) para a Casa Pia

    Casa Pia - Procedimento DE SELECÇÃO E RECRUTAMENTO de docentes/formadores de língua gestual portuguesa (ano escolar de 2013/2014)

    Informa-se que se encontra aberto, a partir de 2ª Feira (inclusive), 19 de Agosto de 2013, pelo prazo de 3 dias úteis, procedimento de seleção e recrutamento de docentes/formadores de Língua Gestual Portuguesa (ano escolar de 2013/2014).


    As candidaturas deverão ser entregues, entre as 10 e as 17 horas, nos Serviços Centrais da Casa Pia de Lisboa, na Av. do Restelo, nº 1, 1449-008 Lisboa, ou remetidas por correio, registado e com aviso de receção, para a mesma morada, considerando-se tempestiva a candidatura que apresente data do registo postal até ao termo do prazo de 3 dias acima mencionado.
     

    quinta-feira, 15 de Agosto de 2013

    Listas provisórias do concurso de Mobilidade Interna - ano escolar de 2013/2014

    A DGAE já disponibilizou as listas provisórias do concurso de Mobilidade Interna - ano escolar de 2013/2014.

    quarta-feira, 14 de Agosto de 2013

    O sexo e a deficiência em Portugal - excelente reportagem!

     O sexo e a deficiência: muitos morrem virgens ou recorrem à prostituição.
     
     
    Ivone Félix, vice-presidente da direção da Cerci de Oeiras, e Carlos Nogueira, paralisado desde os 14 meses devido a poliomielite, dão o seu testemunho sobre o tema, que junta dois tabus: sexo e deficiência.
     
    Clique aqui para ver a reportagem:http://www.dn.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=3150945


    Nenhum dos dois tem conhecimento da existência de terapeutas (ou substitutas) sexuais como a interpretada por Helen Hunt, mas Ivone Félix lembra que, há uns anos, um grupo de cidadãos tentou avançar com uma proposta semelhante à que existe na Holanda, "em que pessoas, que eventualmente são prostitutas, estão, de certa forma, treinadas para uma população um bocadinho diferente".

    Sem soluções legais disponíveis, muitos deficientes portugueses, acreditam os entrevistados, acabam por morrer virgens ou recorrer à prostituição.

    (Veja a reportagem escrita no e-paper do DN)

    Fonte: DN

    segunda-feira, 12 de Agosto de 2013

    Programa de Emergência Social falhou na empregabilidade das pessoas com deficiência

    A Associação Portuguesa de Deficiente considera que o Programa de Emergência Social falhou no objetivo da empregabilidade das pessoas com deficiência, enquanto os idosos consideram que provocou a sobrelotação dos lares com o aumento das vagas.

    O Programa de Emergência Social (PES) foi apresentado a 5 de agosto de 2011, com o objetivo de combater a pobreza e a exclusão social, atuando em cinco áreas: famílias, idosos, deficientes, voluntariado e instituições sociais.

    A Associação Portuguesa de Deficiente considera que o Programa de Emergência Social falhou no
    objetivo da empregabilidade das pessoas com deficiência, enquanto os idosos consideram que provocou a sobrelotação dos lares com o aumento das vagas.

    O Programa de Emergência Social (PES) foi apresentado a 5 de agosto de 2011, com o objetivo de combater a pobreza e a exclusão social, atuando em cinco áreas: famílias, idosos, deficientes, voluntariado e instituições sociais.

    Fazendo uma avaliação do programa, a presidente da direção nacional da Associação Portuguesa de Deficiente (APD) disse à agência Lusa que o "balanço não é muito positivo", considerando que "é um plano com uma vertente muito assistencialista, que não apresentava medidas concretas para resolver questões de fundo que interessassem, de facto, às pessoas com deficiência e resolvessem problemas na área social".

    No PES, o reforço da empregabilidade de pessoas com deficiência é considerada uma medida prioritária, constituindo a "única forma possível" de alcançar uma "total inclusão".

    Contudo, para Ana Sezudo, esta medida não resultou: "O que se pretendeu estabelecer, o incentivo à instalação por contra própria, acabou por ser direcionado para linhas de créditos, não ajudando de forma mais concreta e mais prática as pessoas".

    "Um dos principais problemas [no país] é o desemprego, que acaba por afetar muito mais as pessoas com deficiência", sustentou a responsável, lamentando o Estado não divulgar o número de quantas pessoas com deficiência estão empregadas.

    "Os planos deviam apostar, em primeiro lugar, numa formação e educação para depois termos em vista o emprego, porque só por esta via as pessoas podem tornar-se independentes e combater todas as dificuldades", frisou.

    Para Ana Sezudo, uma das medidas que devia constar do PES e que ajudaria as pessoas desempregadas seria aumenta o valor das pensões de invalidez, que "continuam nos 185 euros".

    "Ninguém consegue sobreviver com uma pensão deste tipo", lamenta.

    A manutenção de professores destacados em Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) é outra medida do PES, que Ana Sezudo considera "totalmente insuficiente", uma vez que a posição da APD tem sido sempre a da inclusão dos alunos no sistema regular de ensino.

    Como medida positiva, Ana Sezudo destacou o "descanso do cuidador" que permite aos cuidadores de pessoas com deficiência com necessidade de apoio 24 horas beneficiarem de apoio, através das respostas sociais existentes, como lares ou apoio domiciliário.

    "Há famílias a viver situações complicadas com familiares completamente dependentes e que a situação pode ser, em muitos casos, esgotante", adiantou, considerando que "o apoio domiciliário é realmente muito importante", mas discorda relativamente ao doente poder ser institucionalizado.

    Para o presidente da Confederação Nacional de Reformados, Pensionistas e Idosos (MURPI), o PES significa "programa de exclusão social" devido à "política de austeridade" do Governo, que afirmou, agravou "todos os fatores de pobreza e exclusão social".

    Cazimiro Menezes salientou que o aumento da capacidade dos lares e das creches, sem criar novas estruturas, provocou a sobrelotação destes equipamentos e degradou a oferta dos serviços.

    "Este Governo veio tentar mascarar que estava a resolver os problemas dos reformados, quando, pelo contrário, se aproveitou das condições existentes para degradar ainda mais os serviços de apoio prestados", frisou.
     
    Fonte: JN